Neocolonialismo e Conferência de Berlim

A Conferência de Berlim (1884) e a subsequente “Partilha da
África” pelas potências europeias tiveram um papel fundamental na
transição de uma dominação informal para um colonialismo
bastante agressivo, o chamado “novo imperialismo”.
Uma das principais características desse novo imperialismo foi o
(a)
(A) exploração econômica direta dos territórios ocupados e a
criação de estruturas coloniais de administração excludentes e
violentas.
(B) dominação indireta, pelas potências europeias, das regiões
colonizadas, restrita somente as áreas do continente africano e
asiático.
© fomento à descolonização da África, iniciado na década de
1830 e encerrado na década de 1890, com apoio das potências
europeias.
(D) convívio pacífico entre africanos e europeus, com ampla
extensão de direitos políticos e sociais aos primeiros, nas regiões
colonizadas.
(E) limitação do imperialismo europeu somente à África e a
exclusão da Ásia e da Oceania das pretensões imperiais das
potências em disputa
Gab:A

Oi, Larissa, como está? Espero que bem! :relaxed:

Primeiramente, desculpa pela demora!

Sobre essa questão, perceba que no próprio enunciado há algumas dicas:

“A Conferência de Berlim (1884) e a subsequente “Partilha da
África” pelas potências europeias tiveram um papel fundamental na
transição de uma dominação informal para um colonialismo
bastante agressivo, o chamado “novo imperialismo”.”

Ou seja, foi um processo bem violento.

A (é a correta).

B - A dominação era direta. Além disso, não pensando apenas na África ou Ásia, tem-se o Imperialismo estadunidense no restante do continente americano. Leitura sobre o assunto.

C - Pelo contrário, foi um processo conhecido como “neocolonialismo”, ou seja, um novo processo de colonização.

D - O convívio foi longe de ser pacífico. Muitas guerras internas aconteceram. Se você notar, as fronteiras, na maioria dos países da África, são artificiais (ela realmente foi dividida, é notório, há muitas charges sobre isso, vou deixar ao final). Isso gerou problemas que, até hoje, vemos reflexos.

E - Errada, pois o Imperialismo também atingiu outras áreas do mundo.

Sobre esse assunto, recomendo fortemente que você veja algumas aulas, pois é bem recorrente e mesmo que eu respondesse bem completo, sinto que faltaria. Também recomendo a leitura de algum capítulo em um livro de história de confiança sobre isso. É um assunto bem importante para compreensão de muito fatos do século XX :relaxed:

Achei esses dois links, e eles citam bastante um historiador que gosto muito sobre esse assunto que é o Eric Hobsbawm. Já usei ele em diversas redações (inclusive ano passado na Fuvest e uma das vezes que tirei 920 no Enem). Ele tem um livro que chama a Era dos Impérios, vou deixar aqui os links e um trecho que analisa esse livro:

“O ‘longo século XIX” delineado por Hobsbawm é cenário de uma grande transformação do mundo da qual a Europa, no apogeu do imperialismo, foi ao mesmo tempo centro e motor. Todas as correntes políticas aceitavam sua missão civilizadora, encarnada numa raça e numa cultura ‘superiores’. A ideia de progresso – um progresso moral e material ilustrado pelas conquistas da ciência, o aumento incessante da produção e da expansão das ferrovias que uniam à totalidade das grandes metrópoles do continente e que na América iam de costa a costa – passou a ser um artigo de fé imóvel, que não se apoiava já nas potencialidades da razão, mas nas forças objetivas e irresistíveis da sociedade. As páginas mais poderosas de A era dos extremos são as do primeiro capítulo, nas quais Hobsbawm descreve o começo do século XX num clima apocalíptico que literalmente acaba com todas as certezas de uma era anterior de paz e prosperidade”



  • Charges:
    image

image

image

image

  • Mapa do Imperialismo:

  • Mapa por etnia e mapa de como ficaram as fronteiras (após assistir às aulas você verá porque isso foi um problema, mas já dá para imaginar):

  • Imperialismo Estadunidense:

Espero que te ajude!

2 Curtidas